Quinta-Feira, 20 de Junho de 2024
Ciência e Saúde
20/11/2023 15:56:00
Casos de conjuntivite aumentam 80% e fumaça de incêndios pode piorar quadro

CGN/LD

Imprimir

O Cievs (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) emitiu este mês alerta para aumento de casos de conjuntivite em Campo Grande. O comunicado leva em conta que a quantidade já está maior em relação ao ano passado e também, a estiagem e a má qualidade do ar devido às fumaças de incêndios.

“Ao analisar a série histórica, observou-se que a partir da semana epidemiológica 27 (agosto) ocorre um aumento nas notificações de conjuntivite. A incidência de conjuntivite aumenta durante a seca porque diminui a frequência da chuva, há mais alérgenos e poluentes suspensos no ar”, cita o comunicado.

Pelos dados, houve 1.839 notificações de conjuntivite em Campo Grande entre janeiro e outubro do ano passado. Já este ano são 3.327, aumento de 80,9%. Para o Cievs, o início da primavera é crítico para a doença e já é previsto aumento de notificação, entretanto, este ano está muito maior.

A fumaça dos incêndios no Pantanal e na Amazônia chegaram em Campo Grande na semana passada, como mostrou o Campo Grande News. Isso significa que a qualidade do ar está baixa e que pessoas mais sensíveis podem ter problemas respiratórios e mesmo conjuntivite devido ao acúmulo de partículas poluentes suspensas.

Dados do QualiAr, da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), qualidade do ar na Capital está ruim, em 92 pontos. Vale ressaltar que o ar da Capital é geralmente bom, com índice de 0 a 40, conforme o LCA (Laboratório de Ciências Atmosféricas).

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias