Quinta-Feira, 20 de Junho de 2024
Ciência e Saúde
15/02/2024 08:19:00
Cientistas dizem que os humanos já inventaram as máquinas do tempo
Esses observatórios olham para o passado, para a origem de nossa existência

Metro/PCS

Imprimir
Foto: Imagem do Telescópio Espacial James Webb NASA

Na vastidão infinita do cosmos, os telescópios espaciais se erguem como portais para o passado, permitindo-nos explorar os eventos cósmicos que moldaram nosso universo. Em teoria, esses instrumentos se tornam máquinas do tempo ao capturar a luz que viaja pelo espaço, proporcionando-nos visões de momentos distantes na história cósmica.

São janelas para o passado. A noção dos telescópios espaciais como máquinas do tempo se baseia em sua capacidade de observar objetos e fenômenos astronômicos a distâncias extraordinárias, o que significa que estamos vendo eventos que ocorreram no passado devido à velocidade finita da luz. Esses dispositivos, como o Telescópio Espacial Hubble e o Telescópio Espacial James Webb, desvendaram segredos cósmicos que permaneceram ocultos por milênios.

Em seus registros recentes, o Telescópio Espacial Hubble tem continuado a surpreender o mundo com imagens de alta resolução e descobertas significativas. Entre suas conquistas mais destacadas está a captura da primeira imagem nítida de um buraco negro na galáxia M87, fornecendo uma visão sem precedentes de um dos fenômenos mais enigmáticos do universo.

Além disso, o Hubble tem contribuído para a compreensão da expansão do universo ao medir a velocidade dessa expansão com maior precisão. Suas observações têm permitido aos astrônomos revisar e refinar as estimativas sobre a taxa de expansão, o que leva a uma melhor compreensão da evolução a longo prazo do nosso cosmos.

Telescópio Espacial James Webb

É sem dúvida o mais poderoso já construído e sua capacidade nos permitirá apreciar praticamente o início do Universo, as áreas mais próximas do Big Bang. Estas são algumas de suas descobertas:

A imagem mais profunda do Universo já capturada.

Em julho de 2022, o JWST publicou a primeira imagem do Universo distante, mostrando galáxias que se formaram alguns poucos cem milhões de anos após o Big Bang. Essa imagem é a visão infravermelha mais profunda e nítida já capturada do Universo primitivo.

A primeira imagem direta de um exoplaneta.

Em setembro de 2022, o JWST publicou a primeira imagem direta de um exoplaneta, um mundo que orbita ao redor de uma estrela diferente do Sol. O corpo celeste, chamado WASP-96b, é um gigante gasoso que tem aproximadamente o tamanho de Júpiter. A imagem do JWST de WASP-96b mostrou sua atmosfera, que é rica em vapor de água.

O primeiro espectro da atmosfera de um exoplaneta.

Em outubro de 2022, o JWST publicou o primeiro espectro da atmosfera de um exoplaneta. O espectro, que foi obtido do planeta WASP-39b, mostrou a presença de vapor de água, monóxido de carbono e metano. Esta é a primeira vez que os cientistas conseguiram medir diretamente a composição da atmosfera de um exoplaneta.

As primeiras imagens da Nebulosa de Carina.

Em dezembro de 2022, o JWST publicou as primeiras imagens da Nebulosa de Carina, uma região de formação de estrelas localizada a cerca de 7600 anos-luz da Terra. As imagens mostraram detalhes nunca antes vistos da nebulosa, incluindo estrelas prestes a nascer e nuvens de gás e poeira sendo iluminadas por estrelas recém-nascidas.

As primeiras imagens do Quinteto de Stephan.

Em janeiro de 2023, o JWST publicou as primeiras imagens do Quinteto de Stephan, um grupo de cinco galáxias que interagem entre si. As imagens mostraram as galáxias com um detalhe sem precedentes, incluindo suas estrelas individuais e seus braços espirais.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias