Quarta-Feira, 23 de Outubro de 2019
Ciência e Saúde
30/04/2019 09:27:00
Consumo de gordura pode estar ligado ao câncer de pele
A associação entre o consumo diário de gordura e o desenvolvimento de certos tipos de cânceres, principalmente de colorretal, mama e próstata, já é estabelecida e reconhecida cientificamente

NM/PCS

Imprimir

Apesar das conclusões da pesquisa publicada na revista médica da Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, dermatologista ressalta que mais estudos na área ainda são necessários e explica quais são os cuidados cientificamente reconhecidos para prevenir o câncer de pele.

A associação entre o consumo diário de gordura e o desenvolvimento de certos tipos de cânceres, principalmente de colorretal, mama e próstata, já é estabelecida e reconhecida cientificamente. Agora, um estudo publicado na revista médica “Cancer Epidemiology, Biomarkes amp;amp; Prevention”, da Associação Americana para a Pesquisa do Câncer (AACR), apontou uma possível ligação entre o risco de câncer de pele e a ingestão diária de gordura poli-insaturada, principalmente as gorduras ricas em ômega-6, que estão presentes em alimentos como ovos, linhaça dourada e óleo de soja.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores avaliaram dois estudos anteriores em que as informações sobre o consumo total e de tipos de gordura por pacientes foram regularmente avaliadas e registradas a cada 4 anos aproximadamente. Apesar de nenhum dos dois estudos fazerem uma associação entre o consumo total de gordura e o risco de câncer de pele, foram encontrados, no primeiro estudo, 794 casos de melanoma, 2.223 de carcinoma espinocelular (CEC) e 13.092 de carcinoma basocelular (CBC). Já no segundo estudo o número de casos de melanoma era de 736, enquanto os de carcinoma espinocelular e basocelular eram de 1.756 e 13.092, respectivamente.

“Observando estes dados os pesquisadores concluíram que enquanto um maior consumo de gorduras poli-insaturadas ricas em ômega-6 estava associado ao risco de desenvolvimento dos três tipos de câncer de pele, a ingestão de gordura rica em ômega-3 está ligada a uma maior propensão ao desenvolvimento do câncer tipo CBC, mas não dos tipos melanoma e CEC”, explica a dermatologista Dra. Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology (AAD).

De acordo com a especialista, uma das hipóteses levantadas pelos pesquisadores para explicar a associação entre o consumo de gordura e o desenvolvimento de câncer de pele é a de que a ingestão de gordura rica em ômega-6 pode aumentar os níveis de prostaglandina E2 (PGE2) no organismo, molécula pró-inflamatória e imunossupressora que está associada a padrões agressivos de crescimento do câncer de pele.

“Porém, ainda existem poucos estudos sobre a ligação entre o câncer de pele e o consumo de gordura e as conclusões da pesquisa precisam ser replicadas em outras populações para serem confirmadas. Sendo assim, o ideal é que, até serem feitas mais pesquisas nesta área, as pessoas continuem a seguir os cuidados de prevenção do câncer de pele já estabelecidos e cientificamente comprovados, como a redução da exposição solar e o uso diário de fotoprotetor”, destaca a Dra. Valéria Marcondes.

Causas e prevenção

Embora a principal causa do câncer de pele seja genética, a exposição solar também influencia no aparecimento da doença. Esta fotoexposição, ao longo dos anos, pode gerar lesões novas ou modificar aquelas que já existiam previamente na pele de qualquer pessoa. “Por isso, é fundamental o uso de filtro solar diariamente, independentemente da estação do ano ou do clima, já que, mesmo em um dia 100% nublado, 80% da radiação UV consegue atravessar as nuvens", alerta a dermatologista.

Embora o diagnóstico normalmente traga medo e apreensão aos pacientes, as chances de cura são de mais de 90% quando há detecção precoce da doença. Desse modo, a realização do autoexame dermatológico é necessária, devendo ser realizado principalmente em pessoas de pele clara, que possuem antecedentes familiares de câncer de pele, tomaram muito sol antes dos trinta anos e sofreram queimaduras, possuem muitas pintas, manchas e sardas por exposição solar anterior ou que já retiraram pintas com diagnóstico atípico. “Podemos realizar este procedimento com certa regularidade, uma vez por mês, na frente do espelho e de preferência com luz natural, para verificar o surgimento de alguma mancha, relevo ou ferida que não cicatriza", indica a médica.

De acordo com a especialista, este tipo de cuidado de rotina, principalmente para quem tem a pele muito clara e com muitas pintas, promove consciência e aguça o olhar sobre as lesões, aumentando a percepção de mudança ou seu crescimento.

“Para saber se uma lesão é mais preocupante, normalmente é usada a regra do ABCD (área, borda, cor e diâmetro) sobre pintas com pigmentação. Dividimos a lesão em quatro partes iguais e comparamos os quadrantes observando a simetria, avaliamos as bordas identificando irregularidade na forma de desenhos circinados, observamos a presença ou não de várias cores compondo esta figura e observamos se apresenta diâmetro acima de 6 mm", comenta a Dra. Valéria. “Quanto aos sinais clínicos, qualquer lesão que coce, doa ou sangre e que aumente de tamanho com rapidez ou apresente sensibilidade, precisa ser examinada por um dermatologista, que fará então uma dermatoscopia manual ou digital, avaliando se a necessidade de realizar a retirada cirúrgica da lesão.”

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias