Sábado, 15 de Dezembro de 2018
Comportamento
22/11/2018 07:41:00
5 verdades sobre os aplicativos de relacionamentos
Entenda as dúvidas mais frequentes sobre o que mudou por causa do uso dos apps

NM/PCS

Imprimir

Que os aplicativos de relacionamento e paquera estão cada vez mais populares, não podemos negar. Ano passado, o Happn, aplicativo de relacionamento baseado em encontros da vida real, em parceria com a YouGov empresa internacional de pesquisa de mercado, divulgou que 60% dos brasileiros usam os aplicativos para conhecer novas pessoas - sendo 52% dos respondentes mulheres e 48% homens.

Por estarem cada vez mais presentes, muitos acreditam que esse novo meio de paquera esteja alterando a natureza humana de como as pessoas se relacionam, deixando de lado o romance e o “friozinho na barriga” de conhecer alguém novo pelo acaso do destino.

Para acabar de vez com os mitos dos aplicativos, o happn responde algumas perguntas sobre a atualidade dos novos relacionamentos:

Os aplicativos estão acabando com o romance? Mito.

A verdade é que o romance está nas pessoas, na maneira que você irá tratar aquele que você deu o Crush, como você puxa o papo e continua a se relacionar com a pessoa. Os aplicativos apenas incentivam para que mais pessoas se conheçam, mas isso não significa que ele influência na maneira que uma pessoa se comporta. E o objetivo do happn é que as pessoas se encontrem na vida real, vivam suas emoções e façam o romance acontecer. Afinal, Crush diz tudo sobre como sentimentos imprevisíveis podem ser.

A paquera ao vivo mudou por causa dos aplicativos? Mito.

Talvez esteja mais fácil. A maioria das pessoas prefere encontrar o amor ao virar a esquina, mas isso acontece com mais freqüência nos filmes do que na vida real – antes esperava-se muito antes disso acontecer e, é por isso que qualquer ferramenta é útil quando se trata de encontrar o Crush. Usar um aplicativo de namoro pode definitivamente facilitar as coisas. E a vantagem é que se pode conhecer o pretendente antes de sair para o primeiro encontro, o que evita decepção e ajuda a entender a melhor pessoa para você.

Relacionamentos de aplicativos vão para frente? Fato.

Quem determina se um relacionamento vai para frente (ou não) é você e a outra pessoa, e não o local que os dois se conheceram. A prova disso? De acordo com as pessoas consultadas na pesquisa, 20% dos entrevistados encontraram o atual ou o último parceiro em redes sociais ou em aplicativos e sites de relacionamento, enquanto o exato mesmo número conheceu no trabalho ou na faculdade e 24% por meio de amigos. A sociedade evolui muito nos últimos anos, melhor se acostumar com a nova forma de construir um final feliz.

As pessoas que utilizam os aplicativos estão desesperadas? Mito.

Muito pelo contrário. Usar um aplicativo de relacionamento mostra que você está aberto a experiências, assim como sair para uma balada ou em um barzinho. A diferença é que os aplicativos de relacionamento aumentam as chances e ajudam a encontrar uma pessoa com as caraterísticas que o usuário procura, aquele alguém que deseja a mesma coisa que você. E como o happn é baseado em conexões da vida real, a timeline de cada usuário é única e reflete os encontros que acontecem no dia-a-dia de cada um.

Os aplicativos de paquera servem para todos os tipos de relacionamento? Fato.

Não importa a razão: aplicativos como o happn são úteis se você está afim do Crush da faculdade, do estranho bonitinho que entra no seu ônibus todos os dias, ou até mesmo para você que quer começar uma nova amizade com alguém – como indica a pesquisa encomendada pela YouGov - fazer amigos foi a motivação número um (71%) para assumir o risco no mundo online. A tecnologia nasceu para melhorar a vida das pessoas, o happn é uma ferramenta l para ajudar a agir na vida real. Só fazendo parte dessa experiência para dar aquele empurrão no destino e tentar conhecer o seu amor. Corre lá para viver essa experiência.

Não tenha medo de se jogar no mundo dos aplicativos! Seja você mesmo em todos os momentos e aproveite para conhecer e se relacionar novas pessoas. Quem sabe você não encontra aquele par ideal.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias