Segunda-Feira, 3 de Agosto de 2020
Comportamento
31/07/2020 08:08:00
Sem registro de covid-19 no comércio, sindicato diz que problema são “festinhas
Setor sofre com fechamento de lojas e demissões de funcionários em meio ao avanço da doença

CGNews/PCS

Imprimir
Foto: CE

Em horários variados e sem rotina definida, o funcionamento do comércio durante a pandemia de covid-19 impactou o caixa e também reduziu o quadro de empregados. Mesmo assim, o setor não parou de forma integral, mesmo representando ameaça de contaminação.

O sindicato da categoria garante que não teve diagnósticos de covid-19 entre os empregados, defende abertura e diz que o problema está nas “festinhas” da periferia.

Embora reconheça a necessidade de ponderar quanto a saúde dos trabalhadores, o presidente do SEC (Sindicato dos Empregados do Comércio de Campo Grande), Carlos Sérgio dos Santos, acredita que a série de medidas tomada pelos lojistas para atender diante da circulação do novo coronavírus deixa os empregados em situação mais segura do quando precisam circular na própria vizinhança.

“Onde contamina mais? É nos bairros, nas cachaçadas da vida e nas festas que estão fazendo. Com isto que o prefeito deveria se preocupar e não com o comércio em si”, afirma.

Casos de covid-19 entre quem trabalha no comércio não foram levados aos representantes de classe até o momento. “Está tendo um rigor muito grande na segurança. As exigências foram cumpridas. Eu sou totalmente contra esse fechamento do comércio. Tem todas medidas para as pessoas não se contaminarem”, defende.

O comércio considerado não essencial chegou a fechar no final de março, no início da pandemia. Diante da queda drástica na arrecadação de impostos, os estabelecimentos foram autorizados a voltar a funcionar dias depois, em horários preestabelecidos.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias