Quarta-Feira, 26 de Julho de 2017
Coxim
18/04/2017 16:45:00
Prefeitura quita débitos com sindicato e informa cancelamento de desconto para Sinsmc Card
Não existe contrato entre o município e o Sinsmc, descontos eram feitos por conta de acordo verbal que se arrasta de outras administrações.

Sheila Forato

Imprimir
Foto: PC de Souza

Nesta terça-feira (18), a prefeitura de Coxim quitou toda a dívida que tinha com o Sinsmc (Sindicato dos Servidores Municipais de Coxim), que era de pouco mais de R$ 362 mil. Segundo o secretário de Gestão, Rufino Arifa Tigre Neto, os débitos a vencer serão pagos dentro dos próximos 30 dias.

Esse montante é referente aos valores descontados dos funcionários municipais, por conta de gastos no cartão Sinsmc, que posteriormente são repassados para o sindicato pagar o comércio local. Na última sexta-feira (14), o Sinsmc anunciou o bloqueio do cartão para os servidores da ativa, devido ao atraso no pagamento por parte da prefeitura.

A situação provocou uma reflexão por parte dos poderes executivo e legislativo, que se reuniram para buscar uma solução ao caso. A primeira decisão tomada pelo prefeito Aluizio São José (PSB) foi determinar o pagamento integral dos débitos, para que o sindicato pudesse injetar o montante no comércio.

Em seguida, os integrantes dos dois poderes se reuniram com diversos departamentos da prefeitura, principalmente jurídico e do recursos humanos, chegando a decisão de cancelar os descontos em folha em prol do cartão Sinsmc Card. O cancelamento já foi informado, inclusive, ao presidente do sindicato José Paulo Monteiro Nogueira.

De acordo com o secretário, não existe contrato entre a prefeitura e o Sinsmc para efetivação desse desconto. Na verdade, era um acordo verbal, que se estende desde outras administrações e diante da impossibilidade jurídica de documentar essa situação, a gestão foi orientada a cancelar os descontos.

Para o prefeito, chegou a hora da administração, junto com os servidores e, principalmente, o sindicato, reverem algumas situações em benefício dos servidores municipais, pois, uma grande parcela está endividada por conta de empréstimos consignados e dívidas com cartão, que somados ultrapassam o limite de 30%.

A situação de dois servidores, um homem e uma mulher, localizados pelo Edição MS demonstram essa situação. Com salários de quase R$ 1.300,00 e R$ 1.000,00 eles recebem, em dinheiro, R$ 42,11 e R$ 52,95, respectivamente. O restante está comprometido com empréstimo, cartão, previdência e plano de saúde.

Aluizio lembrou que os empréstimos aliviam o funcionário numa determinada situação, mas sufocam por longos meses. “Precisamos fazer um trabalho amplo, para que os servidores que se encontraram endividados consigam recuperar o equilíbrio financeiro”, enfatizou o prefeito.

Ele não se furta de falar dos problemas que a prefeitura de Coxim tem enfrentado para conseguir sobreviver em meio à crise. “Enquanto a arrecadação não melhora vamos cobrindo um santo e descobrindo outro. Se numa semana temos recursos para pagar a folha, vamos pagar a folha, na outra pagamos fornecedores, na outra encargos, na outra outros compromissos e assim estamos administrando desde que essa crise política e financeira tomou conta do nosso país. Não é um problema local, de Coxim, mas, de todo o Brasil”, finalizou Aluizio São José.

Dos 13 vereadores, nove se reuniram com o prefeito em busca de uma solução para a situação: São eles: o presidente Vladimir Ferreira, o vice Carlos Oliveira de Rezende, o primeiro-secretário Edmir Cândido, e os vereadores Abilio Vaneli, Amoacir Alexandre “Kelé”, Franciel Oliveira, Lucimar Barbosa “Careca da Iluminação”, Mecias Alves e Odes da Silva.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias