Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Cultura
29/06/2018 17:37:00
53º Festival de Parintins começa nesta sexta-feira (29)
Tradicional festa do Amazonas mostra rivalidade entre os bois Caprichoso e Garantido

NM/PCS

Imprimir

A 53ª edição do Festival Folclórico de Parintins ocorre entre esta sexta-feira (29) e o domingo (1º) na cidade de Parintins, no Amazonas. Um dos maiores eventos folclóricos e de cultura popular do Brasil, o festival reúne, todos os anos, cerca de 100 mil pessoas no Centro Cultural Amazonino Mendes, conhecido como Bumbódromo – que este ano celebra 30 anos de existência.

Na festa folclórica, os bois Caprichoso e Garantido recontam, por meio de alegorias, as lendas, rituais indígenas e costumes regionais da região amazônica. As toadas (canções), apresentadas pelos bois, são compostas por letras que resgatam o passado, costumes dos ribeirinhos e os mitos da floresta.

Os desfiles são divididos por espetáculos. Cada boi tem 2h30 para se apresentar em cada noite do festival. Entre uma apresentação e outra, há um intervalo de meia hora. O festival está previsto para começar às 21h, horário de Brasília, e deve terminar por volta de 2h30 da manhã.

Uma comissão composta por 10 jurados irá avaliar e definir o boi vencedor de 2018 do Festival de Parintins. O júri é formado, em sua maioria, por especialistas em antropologia e folclore. O corpo de jurados avalia 21 itens, entre os quais estão desempenho do apresentador, levantador de toadas, marujada, ritual indígena e porta-estandarte. A torcida é outro elemento que conta pontos para os bois que desfilam.

Lenda do Boi

A lenda do Boi, que todos os anos é encenada de forma diferente por cada um dos bois, conta a história da Mãe Catirina. Grávida, Catirina teria sentido o desejo de comer língua de boi, em especial do boi favorito do dono da fazenda onde seu marido, Pai Francisco, trabalhava. Para satisfazer o desejo da esposa, Francisco matou o boi preferido de seu patrão.

Quando o patrão descobriu, chamou um médico para confirmar a morte do boi e um padre para trazer o animal de volta à vida. No festival, o padre é representado por um pajé. Com os rituais feitos pelo pajé, o boi viveu novamente e o patrão concedeu o perdão ao Pai Francisco e à Mãe Catirina. A ressurreição do boi é o grande mote da festa. Cada ato dessa lenda é representado durante as noites dos desfiles.

Com informações do Ministério da Cultura.

Notícias relacionadas

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias