Segunda-Feira, 29 de Maio de 2017
Economia
18/04/2017 09:58:00
BC vê inflação na meta e indica que juro pode cair para 8,5% ao ano no fim de 2017

G1/LD

Imprimir

O Comitê de Política Monetária (Copom) informou que está prevendo a inflação na meta tanto neste ano quanto no próximo mesmo se a taxa de juros, atualmente em 11,25% ao ano, recuar para 8,5% ao ano no fechamento de 2017. A informação consta na ata da última reunião do Copom, realizada na semana passada, e divulgada nesta terça-feira (18).

Para este ano, a estimativa de inflação do BC, com os juros estimados pelo mercado (8,5% ao ano no fim de 2017) está em 4,1% e, para 2018, em 4,5%. A meta central de inflação para estes dois anos, com base no IPCA, é de 4,5%, mas o teto é de 6%. O mesmo cenário pressupõe taxa de câmbio de R$ 3,23 no fechamento deste ano e de R$ 3,37 no fim de 2018.

"Os membros do Comitê reafirmaram o entendimento de que, com expectativas de inflação ancoradas, projeções de inflação em torno da meta para 2018 e um pouco abaixo da meta para 2017, e elevado grau de ociosidade na economia, o cenário básico do Copom prescreve antecipação do ciclo de distensão da política monetária [corte da taxa de juros]", informou o BC na ata do Copom.

Sobre o ritmo de redução da taxa de juros até o fim deste ano, a autoridade monetária informou que isso dependerá da evolução da atividade econômica, de outros fatores de risco (como a aprovação das reformas e de ajustes na economia brasileira, entre outros).

Acrescentou que considera o atual ritmo de redução dos juros, de 1 ponto percentual - que foi adotado na semana passada - como "adequado". Mas acrescentou que a "atual conjuntura econômica recomenda monitorar a evolução dos determinantes do grau de antecipação do ciclo", ou seja, não descartou a possibilidade de cortar os juros mais rapidamente nos próximos meses.

O mercado financeiro acredita que os juros cairão para 10,25% ao ano no final de maio, para 9,5% ao ano em julho, para 9% ao ano no início de setembro, para 8,75% ao ano em outubro e, na última reunião deste ano, em dezembro, para 8,5% ao ano.

O Comitê de Política Monetária também deu informações sobre a possibilidade de continuar a cortar os juros em 2018. Até o momento, o mercado financeiro acredita que, depois de os juros chegarem a 8,5% ao ano no fim de 2017, a taxa será mantida neste patamar no ano que vem.

Segundo o BC, a "extensão" do ciclo de corte de juros em 2018 dependerá da evolução da atividade econômica, dos demais fatores de risco e das projeções e expectativas de inflação para 2018 e 2019, mas também das estimativas da taxa de juros estrutural da economia brasileira.

"Essas estimativas naturalmente envolvem incerteza e poderão ser reavaliadas pelo Comitê ao longo do tempo", informou a instituição.

Inflação e PIB

Os integrantes do Copom (diretoria e presidente do BC) concordaram que as perspectivas para a inflação evoluíram de maneira favorável e, em boa parte, em linha com o esperado desde a reunião do Copom em fevereiro.

"A dinâmica da inflação permanece favorável. O processo de desinflação se difundiu e houve consolidação da desinflação nos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. Isso aumenta a confiança de que a desinflação corrente terá efeitos duradouros. A desinflação dos preços de alimentos constitui choque de oferta favorável", acrescentou.

Ao mesmo tempo, também avaliaram que a "economia segue operando com alto nível de ociosidade dos fatores de produção, refletido nos baixos índices de utilização da capacidade da indústria e, principalmente, na taxa de desemprego".

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias