Sábado, 22 de Setembro de 2018
Esportes
14/03/2018 10:59:00
Após experiência na Stock, Massa admite sentir falta da F1 e dá pistas sobre o futuro

Globo Esporte/LD

Imprimir

A Corrida de Duplas da Stock Car é uma experiência que Felipe Massa vai guardar com muito carinho. Não apenas pelo ambiente acolhedor que encontrou dentro da categoria, mas também pelo bom desempenho que apresentou nos treinos e na corrida. De volta à sua nova rotina na Europa, um caminho que ele próprio ainda está descobrindo nestes primeiros meses longe da Fórmula 1, Felipe admite que sente falta do ambiente em que viveu seus últimos 16 anos. Mas já faz planos para o futuro, dando pistas claras de onde pretende acelerar em curto prazo.

  • Não tiro a Stock Car do meu caminho, mas acho que não vai ser agora. Tenho uma ideia de continuar correndo lá fora. Estou conversando com a Fórmula E, quero ver como é que é, quero entender a categoria, entender várias coisas. Não é porque é uma categoria lá fora, que vai ser mais legal que uma categoria aqui. Não tenho nada assinado, tenho conversas com algumas equipes. E não só com algumas equipes, mas o campeonato me quer, de qualquer maneira. Se vai acontecer, não sei, mas é o pensamento que eu tenho neste momento – frisa Massa.

Futuro elétrico

Na visão do piloto, a opção pela categoria de carros elétricos faz sentido neste momento de sua carreira. Perto de completar 37 anos e com a bagagem de 269 GPs disputados na Fórmula 1, Felipe leva em conta diversos aspectos para tomar sua decisão. O currículo forte (com 11 vitórias, 16 poles e um vice-campeonato mundial) certamente pesará em seu favor para buscar um bom cockpit.

  • Eu tenho que pensar meu lado como piloto, lógico. O mais importante é guiar, me divertir dentro da pista. Mas tenho que pensar meu lado financeiro também. É legal ter um bom salário, conseguir fazer eventos com empresas em geral, onde a Fórmula E está muito forte. Comparando com WEC, DTM e até a Stock Car, é uma categoria quem vem evoluindo muito. Que faz e vai fazer muito mais parte do nosso futuro, com os carros elétricos – analisa o competidor.

À vontade em Interlagos

Acostumado à rigidez da F1, Felipe sentiu a diferença de ambiente ao disputar a etapa de abertura da Stock Car no mesmo circuito de Interlagos em que viveu intensas emoções no GP do Brasil – incluindo a decisão de campeonato na qual recebeu a bandeirada como campeão, em 2008, antes de Lewis Hamilton ganhar a posição que deu ao inglês seu primeiro título mundial.

Na pista, Massa chegou a brigar por um pódio correndo em parceria com Cacá Bueno. Mas um problema no motor relegou a dupla à 13ª posição no fim da prova.

  • A Fórmula 1 é um ambiente chato, cada um está no seu canto, qualquer piloto tem receio de entrar no box do outro, tudo não pode, é um meio bem mais travado. Aqui é um ambiente bem mais aberto. Fui recebido de maneira muito bacana pela categoria, pela equipe, pelos outros pilotos. Isso me deixou muito feliz e satisfeito. Curti bastante este fim de semana – diz Felipe.

Saudade seletiva

Só que, mesmo sendo “um ambiente chato”, bem que a Fórmula 1 desperta saudade em Felipe. Não é para menos: foram 16 anos diretamente ligado à categoria máxima do automobilismo. Pela primeira vez em muito tempo, o brasileiro iniciará uma temporada no sofá, diante da televisão. E já imagina como reagirá ao assistir ao GP da Austrália.

  • Não tem como não sentir falta, é a primeira corrida do ano. Mas não senti falta nenhuma dos testes, para falar a verdade. Nenhuma. Até acompanhei, mandei mensagem para algumas pessoas próximas que estavam lá. Mas é que nem perguntar para um jogador de futebol: você sente falta de treino ou de jogo? Acho que, nas corridas, vou sentir falta. Mas estou feliz e pronto para essa segunda parte da minha vida – ressalta o piloto.

Como telespectador bem informado, Felipe garante que os pilotos não estranharão o halo, dispositivo de segurança sobre o cockpit que provocou tanta rejeição entre os fãs.

  • Conhecendo os pilotos de Fórmula 1, se isso realmente fosse um problema sério, já teria muita gente reclamando, eles iriam falar. Você não pode colocar uma coisa no carro que vá te causar acidentes, e sim evitar problemas na parte de segurança. Não deve ser um problema. A gente viu o Vettel dando 188 voltas em um dia. Acho que, depois de 50 voltas com um carro, você acostuma. No final, se não tem mais ninguém falando disso, é porque a turma já acostumou – garante.

A temporada 2018 da Fórmula 1 terá início no fim de semana entre 23 e 25 de março, em Melbourne, na Austrália.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias