Sábado, 29 de Abril de 2017
Geral
19/04/2017 15:11:00
Empresário de MS será reconduzido à Presidência do Conselho da Abigraf Nacional

Da assessoria/LD

Imprimir

O empresário sul-mato-grossense Julião Flaves Gaúna, proprietário da indústria gráfica Pontual, em Campo Grande (MS), será reconduzido à Presidência do Conselho Diretivo da Abigraf Nacional no próximo dia 28 de abril durante eleição que será realizada na sede Fieg (Federação das Indústrias de Goiás), localizada na cidade de Goiânia (GO). Ele ocupa o cargo desde 2014, quando foi eleito para o primeiro mandato, e agora será reeleito para ficar à frente do Conselho Diretivo até 2020.

Segundo Julião Gaúna, ao assumir um cargo na diretoria executiva da Abigraf Nacional em 2014 representou muito para as indústrias gráficas de Mato Grosso do Sul, que passaram a ter uma voz ativa dentro da Associação. “A importância desse cargo foi extraordinária, pois elevou o nome do nosso Estado em nível nacional. Além disso, foi possível reforçar a cadeia produtiva do nosso segmento, pois passei a ter uma participação maior dentro da CNI (Confederação Nacional da Indústria)”, ponderou.

Fim da bitributação

O presidente do Conselho Diretivo da Abigraf Nacional destaca que a sua maior conquista à frente do cargo foi a aprovação, no Congresso do Nacional, do Projeto Substitutivo da Câmara dos Deputados SCD nº 15/2015, que colocou fim ao antigo e injusto conflito tributário entre ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) e ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que há três décadas trazia insegurança jurídica à indústria gráfica brasileira.

“Essa vitória de todo o segmento da indústria gráfica nacional foi uma conquista pessoal, pois, com o apoio do presidente da Fiems, Sérgio Longen, conseguimos que a Lei Complementar fosse sancionada pelo presidente da República, Michel Temer. O senador Romero Jucá foi muito importante na solução desse imbróglio, que teve mais de 30 anos de reinvindicações junto ao Governo Federal, mas que só ganhou força a partir das articulações realizadas nos últimos dois anos, trazendo para o segmento segurança jurídica”, declarou.

Entenda o caso

No último dia 30 de dezembro de 2016, o Diário Oficial da União trouxe a Lei Complementar nº 157, de 29 de dezembro de 2016, alterando a Lei Complementar nº 116/2003, que dispõe sobre critérios e prazos de crédito das parcelas do produto da arrecadação de impostos de competência dos Estados e de transferências deles aos municípios, pondo fim à bitributação que tanto penalizava o segmento em nível nacional.

O presidente do Conselho Diretivo da Abigraf Nacional explica que a sanção do presidente Michel Temer foi de extrema importância para a indústria gráfica, pois, 90% das mais de 20 mil empresas e que empregam mais de 220 mil trabalhadores no Brasil são micro, pequenas e médias e a bitributação penalizava por demais o segmento, dono de um faturamento anual de R$ 44,8 bilhões. “O conflito tributário ISS x ICMS está definitivamente resolvido e agora teremos a segurança jurídica. Estamos regularizados juridicamente e assim os nossos esforços passam para outras demandas de interesse do segmento”, declarou.

Julião Gaúna detalha que finalmente a indústria gráfica sabe para qual ente público deve recolher os tributos, pois, como era antes, não tinha coerência arrecadatória. “Hora era para as prefeituras, hora era para os Estados e, muitas vezes, éramos bitributados, não tendo organização tributaria, portanto, o empresário não tinha condição de fazer planejamento tributário para buscar melhor competitividade no mercado”, recordou, completando que agora a Lei atende da pequena à grande empresa. “Não tendo aumento de carga tributária, cada empresa fara o seu recolhimento dentro do seu enquadramento conforme a legislação existente”, pontuou.

Confira abaixo a nova composição do Conselho Diretivo da Abigraf Nacional:

Presidente - Julião Flaves Gaúna (MS)

Vice-presidente - Cidnei Luiz Barozzi (SC)

Diretoria-Executiva

Presidente - Levi Ceregato (SP)

1º vice-presidente - Carlos Augusto Di Giorgio Sobrinho (RJ)

2º vice-presidente - Rodrigo Velloso de Almeida (MG)

Diretor de relações internacionais - Mário César Martins de Camargo (SP)

Diretor de relações políticas - Angelo Garbarski (RS)

Diretor-técnico - Roque Noschang (RS)

Diretor de micro e pequenas empresas - José Fernando da Silva Rocha (SC)

Diretor de relações com o mercado - Carlos Roberto Jacomine da Silva (SP)

Diretor de sustentabilidade - Fabio Arruda Mortara (SP)

Vice-presidente Região Norte - José Conrado Azevedo Santos (PA)

Vice-presidente Região Nordeste - Josair Santos Bastos (BA)

Vice-presidente Região Sudeste - Vicente de Paula Aleixo Dias (MG)

Vice-presidente Região Sul - Jair Leite (PR)

Vice-presidente Região Centro-Oeste - Pedro Henrique A. Verano (DF)

Diretor-administrativo - Maria Angela Demoner Colnaghi (ES)

Diretor-administrativo-adjunto - Antonio de Sousa Almeida (GO)

Diretor-financeiro - Luiz Gornstein (SP)

Diretor-financeiro-adjunto - João Baptista Depizzol Neto (ES)

Diretoria Plenária

Sidney Anversa Victor (SP)

Tullio Samorini (ES)

João Batista Alves dos Santos (DF)

Luiz Carlos Dias de Oliveira (MG)

Marcone Tarradt Rocha (PB)

Antonio Ivo Daflon dos Santos (RJ)

Walter Castro dos Santos (SE)

Edson Benvenho (PR)

Geraldo Cézar Miranda Simões (MG)

Altair da Graça Cruz (MS)

Francisco Sales Souza Gomes (BA)

Abilio de Oliveira Santana (PR)

Lourival Lopes dos Reis (RS)

Floriano Alves da Silva Junior (AL)

Stênio Gonçalves Andrade (SE)

Severino Rodrigues Chaves Filho (PB)

Osmar D´Almeida Santos Filho (RJ)

Jose Alves Brito (PI)

Conselho Fiscal Titulares

Ricardo Marques Coube (SP)

Tales Vinicius Ximenes Carvalho (CE)

Osvaldo Luciani (SC)

Conselho Fiscal Suplentes

João Baptista Cardoso (SC)

Leopoldo Moreira Neto (GO)

Paulo Abel dos Santos (PI)

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias