Sexta-Feira, 19 de Outubro de 2018
Internauta Repórter
22/01/2018 10:32:00
Amigos quase pisam em jararaca ao subirem Cristo Redentor do Pantanal, em Coxim

Sheila Forato

Imprimir
Foto: Internauta Repórter/RSL

No final da tarde de sexta-feira (19), três amigos se depararam com uma jararaca ao subirem o Cristo Redentor do Pantanal. A cobra foi fotografada e encaminhada para a editoria Internauta Repórter, do Edição MS.

Foto: Internauta Repórter/RSL

No e-mail, o autor da foto sugere que a reportagem alerte sobre os cuidados que as pessoas devem ter ao subirem o Cristo, construído numa serra as margens da estrada do Pantanal, praticamente no perímetro urbano de Coxim.

R.S.L., de 29 anos, conta que eles subiram os 431 degraus distribuídos em 509 metros de altura e ao chegarem no topo a cobra passou entre a namorada e a tia, que foi quem avistou a jararaca. Apesar do susto, ele tratou de registrar para fazer o alerta.

Conhecedor de trilhas nas serras de Coxim, por onde anda constantemente, o jovem sobe o Cristo Redentor do Pantanal praticamente todas as semanas para a prática de exercícios físicos e ainda percorre um trecho da serra para fazer contemplação das belezas naturais.

Entretanto, ele relata que foi a primeira vez que se deparou com uma cobra tão venenosa. “É preciso ficar atento, pois elas passam despercebidas. Essa jararaca passava rente a uma rocha, cuja cor se confundia com a da cobra”, alertou.

No mesmo dia, o trio registrou pegadas de outros animais, como de antas pela trilha que percorreu. R.S.L. também alertou para o perigo de fazer trilha sozinho, principalmente se o aventureiro não conhece a serra. “Me arrisco porque percorro essas trilhas desde criança”, frisou.

Foto: Internauta Repórter/RSL

Perigo

A jararaca da mata ou do cerrado é uma serpente de até 1,6 m, encontrada no Brasil (da Bahia ao Rio Grande do Sul) e em regiões adjacentes no Paraguai e Argentina. A espécie é responsável por grande parte dos acidentes ofídicos registrados em sua área de ocorrência.

Perigosíssima, prepara o bote ao ver se aproximar qualquer ser. Vive em ambiente preferencialmente úmidos, como beira de rios e córregos, onde também se encontram ratos e sapos, seus pratos mais caçados. Dorme durante o dia debaixo de folhagens secas e úmidas, e gosta de tomar sol, geralmente sol pós chuva.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias