Terça-Feira, 20 de Abril de 2021
Logística
03/02/2021 08:18:00
Com mais de 700 acidentes em 1 ano, BR-163 segue como rodovia mais
Mato Grosso do Sul, no geral, é o 4º estado em todo o Brasil com mais mortes em rodovias federais

CGNews/PCS

Imprimir
Um dos últimos acidentes na BR-163, na região norte de MS, onde vitimou um casal (Foto: PC de Souza)

Em 2020, a BR-163 registrou 738 acidentes de trânsito na conta de Mato Grosso do Sul, que resultaram em 51 vítimas fatais. Esses dados fazem com que a estrada que corta o País de norte ao sul seja a rodovia federal mais letal no Estado, seguida pela BR-262, com 37 mortes.

A rodovia continua em pista simples na sua maior parte, mesmo assim continua arrecando milhões anualmente com cobrança de pedagio (Foto: PC de Souza)

No Estado, a 163 começa na divisa com o Paraná, em Mundo Novo, e passa por vários municípios como Naviraí, Dourados, Campo Grande, São Gabriel do Oeste, Coxim e Sonora, quando divide estado com Mato Grosso.

Já no Brasil, ela liga as cidades de Tenente Portela, no Rio Grande do Sul, até Santarém, no Pará, totalizando mais de 3,5 mil quilômetros de extensão.

No geral, foram 1,2 mil acidentes no ano passado, que resultaram em 139 pessoas mortas em vias no Estado. Veja ranking das rodovias federais com mais registros de mortes em Mato Grosso do Sul:

Segundo dados da CNT (Confederação Nacional do Transporte), consultados pela reportagem, os acidentes envolveram colisão, saída de pista, capotamento, atropelamento, queda de ocupante, derramamento de carga ou incêndio.

Além disso, comparando o total de óbitos em rodovias federais em relação ao total da população de cada estado, Mato Grosso do Sul é o 4º onde mais se morre dessa forma.

Mesmo sendo o ano de pandemia, onde teoricamente a mobilidade urbana da população sentiu redução, sobretudo nos primeiros meses da chegada da covid-19, 2020 teve um aumento de 12% em comparação a 2019.

Dados - A reportagem levantou o comparativo de acidentes em com o total de habitantes. O levantamento está disponível no link, e os dados originais podem ser conferidos no Painel da CNT.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias