Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017
Logística
04/05/2017 11:13:00
Negativa de visto para os Estados Unidos triplica no Brasil
Taxa de recusa salta de 5,36% em 2015 para 16,7% em 2016, segundo a embaixada americana; Receita registra ‘boom’ de brasileiros com saída definitiva do país

Veja/PCS

Imprimir
A farmacêutica Fernanda Alves da Silva, 28 anos, o marido Bruno e o filho Bryan, de 7 anos, que tiveram o visto para os Estados Unidos negado (Foto: Arquivo Pessoal)

Tirar um visto para viajar aos Estados Unidos está cada vez mais difícil. Segundo dados da embaixada norte-americana no Brasil, a taxa de recusa de vistos para visitantes brasileiros triplicou em 2016 em comparação com o ano anterior, saltando de 5,36% para 16,7%. Se comparada à taxa de recusa em 2014, o número é ainda mais impressionante: naquele ano, apenas 3,2% dos solicitantes tiveram o pedido recusado. Só no ano passado foram emitidos 495 mil vistos de não imigrantes na categoria B (negócios e turismo).

A Embaixada dos Estados Unidos não informa as razões das negativas, fornece apenas as estatísticas. Mas o principal fator apontado por profissionais que trabalham com auxílio na emissão de vistos é a crise econômica que atinge o Brasil de forma mais intensa desde 2015 – o que, em teoria, significa que mais pessoas estão buscando alternativas fora do Brasil.

“As exigências para conceder o visto não mudaram, mas com a crise econômica percebemos que há mais solicitantes sem condições de comprovar os vínculos com o país. São mais pessoas desempregadas ou autônomas, que muitas vezes têm mesmo a intenção de estabelecer vida lá”, avalia Carlos Hirao, gerente de uma empresa que oferece serviço de despachante há 17 anos.

E, de fato, mais brasileiros estão deixando o Brasil para viver no exterior. Segundo levantamento da Receita Federal, feito a pedido de VEJA, 18.342 famílias (ou pessoas) declararam em 2016 (as declarações são referentes a saídas ocorridas no ano anterior) que deixaram definitivamente o Brasil. Em 2011, este número foi de 7.346. Em relação às saídas ocorridas no ano passado, as declarações ainda estão sendo feitas, mas já totalizam 14.373.

De acordo com a Receita Federal, quando uma pessoa ou família sai do Brasil, ela informa ao governo uma única vez, portanto, as declarações não são sobrepostas. EUA, Canadá e Reino Unido

O principal destino dos brasileiros que decidem morar em outro país é justamente os Estados Unidos, seguido de Canadá e Reino Unido. Segundo a Receita, no Estado de São Paulo, de onde sai em torno de 1/3 dos viajantes, a maioria é formada por funcionários de companhias do setor privado, seguidos por dirigentes, presidentes ou diretores de empresas industriais, comerciais ou de prestação de serviços e por proprietários de empresas ou firmas individuais.

A professora Maria Cecília Forjaz, doutora em ciência política e pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas da USP (Nupps), diz que a crise econômica é o principal fator que leva as pessoas a deixarem o país. “O Brasil está vivendo a pior recessão da sua história. Há muito tempo, em períodos de crise, é comum aumentar os casos de imigração”, afirmou.

Ainda segundo Maria Cecília, os dois números [aumento da taxa de rejeição e crescimento da imigração] andam juntos. “À medida em que aumenta o número de pessoas pedindo um visto para os Estados Unidos, a primeira reação é reduzir a quantidade de vistos concedidos. E isso só vai piorar”, afirmou a professora, referindo-se ao fato de que essas negativas aconteceram ainda no governo do ex-presidente Barack Obama – e devem aumentar na gestão de Donald Trump.

Vistos Rejeitados

A farmacêutica Fernanda Alves da Silva, de 28 anos, o marido Bruno, e o filho Bryan, de 7 anos, tiveram o visto negado na quinta-feira, dia 27, em São Paulo. Eles pretendiam levar o filho para a Disney. Frustrados com a negativa, pretendem tentar novamente em dois meses. Fernanda diz que o cônsul fez poucas perguntas sobre o emprego e a renda do casal e não pediu nenhum outro documento extra antes de negar o pedido.

“Levei o contrato de trabalho, extrato da conta bancária e outros documentos comprovando vínculos com o Brasil, mas ele nem me deu a chance de apresentar nada. Acho que foi negado por causa da renda. No papel que ele me entregou, diz apenas que não comprovamos vínculos suficientes”, diz Fernanda, que pretende contratar um serviço de despachante para ajudá-la no preenchimento do formulário na próxima vez.

O professor de artes marciais João Paulo Viana da Silva, de 23 anos, teve o visto negado duas vezes pelo consulado do Rio de Janeiro: a primeira em janeiro deste ano e a segunda, no mês passado. Ele pretendia viajar para Nova York com a namorada e os pais dela, em julho – a viagem seria paga pelos sogros. Mesmo levando o documento que comprova que está matriculado em faculdade no Brasil, a declaração da academia em que é professor e a carta que dizia que o sogro pagaria a viagem, teve o visto rejeitado duas vezes.

“Não sei a verdadeira razão da negativa, disseram apenas que eu não estava habilitado a receber o visto. Na primeira vez, minha matrícula na faculdade estava trancada, mas desta vez estou cursando. Imagino que eles pensaram que eu pretendia ficar por lá”, diz João Paulo, que vai tentar tirar o visto novamente somente daqui a oito meses.

Fredy Costa, que trabalha como despachante há 15 anos, afirma que as negativas aumentaram consideravelmente em 2015 e 2016. “Os brasileiros estão indo embora com a família inteira. Vendendo apartamento, carro, tudo. Tenho clientes que venderam tudo para tentar a vida lá fora. Muitos falam que vão estudar, mas não voltam mais”, disse. Para ele, uma outra razão das negativas é que muitas pessoas preenchem o formulário de maneira inconsistente, sem conseguir comprovar os vínculos com o Brasil.

Para a professora Maria Cecília, outros fatores que também podem estar impactando no aumento da recusa dos vistos é a xenofobia e o medo do terrorismo nos Estados Unidos. “São apenas hipóteses, mas a xenofobia é um problema global. E, mesmo o Brasil não tendo envolvimento em atos terroristas, pode acabar sofrendo as consequências desse medo”, avalia.

Brasil entre os 10 mais

Mesmo com o aumento na taxa de recusa de vistos, o Brasil continua entre os 10 países que mais enviam viajantes para os Estados Unidos. As estatísticas preliminares da embaixada norte-americana para 2016 mostram que mais de 1,1 milhão de brasileiros visitaram o país.

Em nota, a assessoria de imprensa da Embaixada dos Estados Unidos informou que “o governo americano está empenhado em facilitar viagens legítimas para comércio, turismo e intercâmbios educacionais e garantindo simultaneamente a segurança das fronteiras dos Estados Unidos e do povo americano”.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias