Sábado, 29 de Abril de 2017
Meio Ambiente
05/02/2017 10:10:00
Plano emergencial evita que Pantanal perca título de Reserva da Biosfera
Plano com ações de curto, médio e longo prazo foi apresentado na última sexta-feira (03)

CE/PCS

Imprimir
Foto: Arquivo PC de Souza

Conselho Executivo da Reserva Biosfera do Pantanal, formado por representantes de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, apresentaram sexta-feira (3) plano de ações emergenciais em defesa da manutenção do Pantanal. Plano já foi aprovado por comissão internacional da Unesco e garantiu manutenção do título de Reserva da Biosfera à maior área úmida do planeta.

Pesquisas elaboradas pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (Inau) e pelo Centro de Pesquisas do Pantanal (CPP) fomentaram o plano emergencial. Pantanal foi designado como Reserva da Biosfera (RB) em 2000, pela Unesco. Entre as medidas está a de se criar e manter propriedades rurais sustentáveis nesse bioma.

Presidente do Conselho Executivo da RB Pantanal, Fátima Sonoda, disse ao Portal Correio do Estado que de 2000 até 2016, algumas ações foram feitas no Pantanal, mas desarticuladas entre os governos de MT e MS, e a Unesco cobrou a criação de um conselho deliberativo, sob risco da perda do título de Reserva da Biosfera.

Em junho de 2016, governo federal recebeu notificação da Unesco sobre a possibilidade de retirada do título e encaminhou o documento aos dois estados para que houvesse providências. Representantes do MS, do MT e do Ministério do Meio Ambiente reuniram-se e criaram o plano de ação emergencial, com ações de curto, médio e longo prazo.

Documentos foram encaminhados e aprovados pela Unesco, garantindo a manutenção do título de área de Reserva da Biosfera ao Pantanal, anunciada no fim do mês passado.

Segundo Fátima Sonoda, reunião para apresentação do plano e definição dos próximos passos, realizada ontem (3), já estava definida desde o ano passado. O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (INCT-INAU), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), promoveu o evento no Dia Mundial de Áreas Úmidas, comemorado em 3 de fevereiro.

PLANO DE AÇÃO

A presidente do Conselho Executivo da RB Pantanal explicou que o plano de ação emergencial de 2017 a 2025 tem três funções, sendo conservação, desenvolvimento e pesquisa científica.

Conforme a presidente do Conselho, uma das principais medidas a serem adotadas é o sistema de gestão, com o Conselho Executivo para executar as tarefas e o Comitê Estadual, com 20 instituições integrantes, além de setor empresarial e sociedade civil , para ajudar na discussão de temas.

“Nosso objetivo é chegar nos municípios, criar instâncias menores onde serão executadas ações agindo na conservação do meio ambiente”, disse.

Conselho da Reserva da Biosfera tem finalidade de organizar informações, mobilizar esforços e captar recursos para o cumprimento das metas estabelecidas pelo programa "o Homem e a Biosfera (MaB – Man and the Biosphere)" da Unesco.

Objetivos de trabalho identificados no plano de ação são promover a função de conservação, desenvolvimento e conhecimento científico e tradicional da Reserva da Biosfera Pantanal, implantar estrutura de gestão e promover comunicação e marketing do bioma.

Para cada um dos cinco objetivos, ações foram definidas com grau de prioridade, sendo curto, médio e longo prazo.

Depois da definição dos alvos e prioridades, serão criados grupos de trabalho temáticos. Várias iniciativas já estão sendo mapeadas no território, como implementação das unidades de conservação, estímulo a criação de novas unidades de conservação, fazendas pantaneiras sustentáveis, monitoramento de qualidade das águas e da cobertura da vegetação e uso do solo (desmatamento), programa de proteção das nascentes, elaboração de planos de ação para proteção de espécies ameaçadas, entre outros.

Com as atividades, expectativa é que a Reserva da Biosfera Pantanal funcione com governança efetiva, promovendo desenvolvimento sustentável e colaborando na formação de redes inclusivas e orientadas no âmbito do Programa MaB.

INAU

Professor doutor Paulo Teixeira de Souza, presidente do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (Inau), disse ao Portal Correio do Estado que há um grupo multidisciplinar de pesquisas do MS e MT.

Em 2000, foi criado o Centro de Pesquisa do Pantanal e oito anos depois foi aprovado o INAU, que desenvolveu diversas pesquisas que nortearam a elaboração do plano de ação emergencial da RB Pantanal.

“Nós temos dentro da nossa filosofia de trabalho que o Pantanal é um só e buscamos produzir conhecimentos científicos que possam embasar a tomada de decisões na produção de marcos regulatórios que garantam o uso sustentável do Pantanal”, disse.

Segundo o pesquisador, hoje, aproveitando as comemorações da RB Pantanal e Dia Internacional das Áreas Úmidas, foi feito anúncio de que em março ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, estará em MT para anunciar a implementação efetiva do Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal.

“Prédio já está pronto, vai ser financiado pelo Ministério e vai garantir que as pesquisas se tornem perenes. Tudo isso aproveitando a data para também chamara a atenção da sociedade e dos nossos dois estados para a importância do uso racional do Pantanal”, afirmou.

Notícias relacionadas

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias