Sábado, 24 de Fevereiro de 2024
Mundo
18/10/2023 06:50:00
Ataque a hospital em Gaza deixa ao menos 500 mortos, dizem palestinos
O episódio se desenha como o mais mortal na região desde o início da atual guerra no Oriente Médio

FP/PCS

Imprimir
Foto: © REUTERS

O ataque a um hospital na cidade de Gaza, a mais populosa da faixa homônima, deixou ao menos 500 pessoas mortas nesta terça (17), segundo o Ministério da Saúde local. O episódio se desenha como o mais mortal na região desde o início da atual guerra no Oriente Médio.

Membros da pasta acusam Israel de direcionar o ataque aéreo ao hospital al-Ahli Arab, conhecido como Al-Ma'amadani. "O hospital abrigava centenas de doentes e feridos, além de pessoas forçadas a deixar suas casas devido a ataques israelenses", disse o ministério.

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês), por sua vez, atribuíram o ataque à facção Jihad Islâmico e dizem que hospitais não são seus alvos. "De acordo com informações de inteligência, o Jihad Islâmico é responsável pelo disparo fracassado do foguete que atingiu o hospital", diz uma nota.

No X, ex-Twitter, a Defesa afirmou que "uma barragem de foguetes inimigos" estava em direção a Israel e passou pelas proximidades do hospital atingido. Se confirmados os números de vítimas e a origem do ataque, este seria o ataque aéreo de Israel mais mortal na região desde ao menos 2008. Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina, que governa a Cisjordânia, declarou três dias de luto oficial pelas vítimas.

A ministra da Saúde de Gaza, Mai Al-Kaila, chamou o ataque de "a mais terrível matança contra o povo palestino" cometido pela "ocupação" -referindo-se à ocupação israelense dos territórios palestinos. "A ocupação cometeu um massacre, quebrou todas as normas e leis humanitárias", disse ela.

Ela pediu à ONU e à comunidade internacional que "salvem os palestinos desta aniquilação em massa".

Em relatos nas redes sociais, a pasta da Saúde afirma que a maioria dos mortos é formada por mulheres e crianças, mas não detalha os números do ataque que descreve como um "massacre".

Mais cedo, o ministério já havia afirmado que centros hospitalares como o de Ahli Arab estavam entrando em fase de colapso devido às constantes quedas de energia elétrica e a falta de combustível -desde o início da guerra, Israel acirrou o bloqueio que mantém contra Gaza desde 2007.

Autoridades ligadas aos territórios palestinos ocupados já têm acusado Tel Aviv de crimes de guerra. Segundo as Convenções de Genebra, atos que são proibidos em conflitos armados -e, portanto, considerados crimes de guerra- incluem ataques intencionais contra a população civil e contra edifícios hospitalares.

Foto: © REUTERS

Neste sentido, também é crime manter civis reféns -o que o grupo terrorista Hamas tem feito desde o último dia 7, quando sequestrou ao menos 200 pessoas em território israelense.

Fundado em 1882, o Ahli Arab é o hospital mais antigo de Gaza, segundo informações de seu próprio site. O nome, em árabe, significa "hospital do povo árabe". Estima-se que, a cada ano, cerca de 45 mil pessoas sejam atendidas no local.

Foto: © REUTERS

O prédio já havia sido alvo de outros ataques ao longo destes 11 dias de guerra. A cidade de Gaza, onde está localizado, fica na porção norte da faixa de terra homônima -a que Tel Aviv insta desde a última sexta (13) a ser esvaziada, indicando que fará uma invasão por terra.

A direção do hospital relatou que, no sábado (14), foguetes israelenses atingiram a ala de diagnóstico de câncer do local, danificando equipamentos de ultrassonografia e mamografia. Na ocasião, ao menos quatro funcionários teriam ficado feridos.

Autoridades de diversos países se manifestaram. O Egito, fronteiriço com Gaza, culpou Israel. A chancelaria egípcia disse que o ataque foi "uma séria violação da lei internacional e dos valores mais básicos da humanidade". "Instamos Israel a parar imediatamente suas políticas de punição coletiva dos palestinos de Gaza", diz uma nota.

Foto: © REUTERS
COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias