Quarta-Feira, 18 de Outubro de 2017
Mundo
10/10/2017 09:37:00
Primeiro-ministro da Tailândia anuncia eleições gerais para novembro de 2018

Agência Brasil/LD

Imprimir

O primeiro-ministro da Tailândia, general Prayut Chan-ocha, anunciou nesta terça-feira (10) a realização de eleições gerais, marcadas para novembro de 2018, que restabelecerão a democracia interrompida pelo golpe perpetrado pelo exército em 2014. A informação é da Agência EFE.

Prayut, presidente da junta militar que governa o país desde então, disse em uma reunião do gabinete que a data exata das eleições será anunciada em junho do próximo ano, informou o Governo na sua página na Internet.

O anúncio acontece dias depois que Prayut se reuniu com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o comunicou que organizaria eleições livres e justas em 2018.

No último domingo, entrou em vigor a nova Lei de Partidos Políticos, uma das quatro leis orgânicas necessárias para realizar as anunciadas eleições.

As novas legislações regulamentam a Comissão Eleitoral, aprovada neste ano após a entrada em vigor da nova Constituição, em abril, e as que regulam as Câmaras Baixa e Alta.

O presidente da comissão que redigiu a Constituição, Meechai Ruchupha, declarou na semana passada que as duas leis orgânicas a serem elaboradas no início de dezembro, mas não garantiu a aprovação imediata do Parlamento nomeado pela junta militar.

Por enquanto, os partidos políticos registrados na Tailândia foram excluídos da atividade política desde o golpe do dia 22 de maio de 2014, e as autoridades não disseram quando pensam revogar essa restrição.

O populista Puea Thai, constituído à sombra do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawtra, é a principal formação do palco politico e venceu as últimas eleições, celebradas em 2011.

A formação de Thaksin - atualmente no exílio em Dubai -, venceu todas as eleições legislativas organizadas na Tailândia desde 2001.

A Tailândia já passou por 20 golpes de Estado ou tentativas desde que se aboliu a monarquia absoluta em 1932, as duas últimas em 2006 e 2014.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias