Segunda-Feira, 25 de Junho de 2018
Polícia
14/05/2018 18:24:00
Suspeito de matar delegado da PF tinha recebido saída temporária
Delegado da Polícia Federal foi morto em tentativa de assalto no Morumbi, Zona Sul de São Paulo. Dois bandidos foram presos.

G1/PCS

Imprimir
Policiais rendem dupla que tentou assaltar delegado da Polícia Federal (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um dos homens presos após um delegado da Polícia Federal de São Paulo ser baelado e morto em assalto tinha recebido o benefício da saída temporária do Dia das Mães, segundo informou a Polícia Civil. Renato Oliveira Pereira, de 33 anos, já foi fichado cinco vezes na polícia por roubo. Ele saiu da cadeia no fim de semana para a saída temporária.

Na manhã desta segunda-feira (14) ele participou com um comparsa de um assalto a uma casa no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo. O delegado Mauro Sérgio Sales Abdo, de 55 anos, da Polícia Federal, que estava na casa, foi morto pelos bandidos. Dois suspeitos foram presos.

O delegado que atendeu a ocorrência ficou incorformado com o crime. "Um dos indivíduos está preso aqui no hospital e o outro também está sendo conduzido para o Deic", disse o delegado Rodrigo Salgado.

"O indivíduo que está no hospital está numa saidinha de dia das mães. Esse indivíduo tem 33 anos e cinco passagens por roubo - é inconcebível um país sério aceitar uma pessoa com cinco passagens por roubo ter um benefício desses, sair no Dia das Mães e estar aí à solta, realizando crimes."

Segundo a polícia, por volta das 5h da madrugada os bandidos pularam o muro e invadiram a casa. Eles ficaram na garagem esperando a família acordar. Um pouco antes da 7h, o delegado da PF abriu a porta da garagem e foi surpreendido.

Ele estava armado e reagiu. Acertou três tiros em um dos ladrões e foi atingido também por três tiros, todos no abdômen.

Um amigo da família disse que foi chamado pela mulher do delegado.

"A esposa me ligou: o que ela me disse foi, ela desceu, fez o café, subiu. Ele desceu pra tomar o café, ela subiu e começou a ouvir tiro e ele começou a berrar: fui baleado, fui baleado", relata Mário Sérgio Ferreira. "E ela desceu, ligou pra polícia, ligou pro hospital, ela é médica do Einstein e ligou pra minha casa em seguida. Chegamos todo mundo junto."

O delegado foi levado para um hospital bem próximo, mas não resistiu e morreu. A Polícia Federal divulgou uma nota de pesar.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias