Terça-Feira, 25 de Julho de 2017
Política
18/04/2017 16:39:00
Em delação, Marcelo Odebrecht conta que orientou executivos a destruir provas

O Globo/LD

Imprimir

Num dos capítulos da delação premiada, o empreiteiro Marcelo Odebrecht detalhou a orientação para destruição de provas, o que se configuraria tentativa de obstrução da Justiça. Ele contou aos investigadores da Operação Lava-Jato, que tentou interferir, mas foi alertado pelo departamento jurídico da empresa para não seguir adiante.

— Eu confirmo o conteúdo do anexo. Na verdade, quando iniciou a operação, foi deflagrada em novembro de 2014, e teve busca e apreensão em Márcio e Rogério, eu alertei eles — contou o empresário.

— A primeira coisa, procurei alertar assim: vocês não vão ter nada em seus computadores coisas que vão comprometer a empresa, tá?!

Segundo ele, os advogados da empresa orientaram a não vamos fazer destruição provas.

— Quando eu tomei a iniciativa, nem estava pensando nisso aí. Aí, eu tomei consciência, tanto assim que eu não apaguei nada. O pessoal falou: além de ser destruição de prova, pode ser improdutivo. Uma vez que está no meio digital, você não consegue apagar tudo. E aí o pessoal alertou: em algum momento, nós vamos ter de fazer investigação e se apagou algum registro, isso vai ser descoberto — disse o delator.

— Na prática, eu avisei e, depois, quando o pessoal me alertou disso, eu voltei atrás e nunca mais mencionei, mas essa foi a minha primeira iniciativa.

VARREDURAS

No relato de Marcelo Odebrecht disse que queria confirmar se havia riscos de informações comprometedoras e também tinha preocupação com grampos.

— A gente imaginava que o pessoal podia estar fazendo grampos de qualquer natureza. Eu alertei. Com certeza mencionei com outros executivos, mas na época o pessoal do jurídico me alertou logo depois: Marcelo, veja bem, vamos olhar a questão de grampo e a questão de rastreamento.

Marcelo Odebrecht também contou que passou a fazer varreduras em busca de grampos. Segundo ele, foi a única iniciativa tomada pela empresa.

— Uma coisa que, isso sim, a gente se preocupou, foi em fazer constantes varreduras para ter certeza que a gente não estava sendo monitorado.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias