Domingo, 19 de Novembro de 2017
Política
11/11/2017 09:33:00
Feriado de um dia vira semana de folga na Câmara
O presidente da Casa, Rodrigo Maia, aproveitou o dia da Proclamação da República para dar folga estendida aos parlamentares

Veja/PCS

Imprimir
Plenário da Câmara dos Deputados vazio (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não marcou sessões de votações no plenário da casa durante toda a próxima semana, em razão do feriado da Proclamação da República, comemorado na quarta-feira, 15 de novembro. Maia deu folga aos parlamentares mesmo em meio à retomada das negociações para votação da reforma da Previdência e com pelo menos oito medidas provisórias (MPs) próximas de perderem a validade. A maioria dessas MPs caducam em 28 de novembro e ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

O presidente da Casa afirma que a semana sem votações não passará má impressão para sociedade, porque a Câmara teria compensado a folga com votações da última segunda até esta sexta-feira, com pauta sobre segurança pública. “Infelizmente o feriado da próxima semana é na quarta-feira”, afirmou, defendendo que as viagens de ida e volta dos parlamentares provocariam “gasto desnecessário”.

Com a “superfolga” do próximo feriado, as duas casas legislativas terão pouco mais de uma semana para votar todas as propostas pendentes.

Oficialmente, Maia marcou sessão para esta sexta-feira para votar projetos de decreto legislativo sem grande relevância. Muitos parlamentares, porém, já deixaram Brasília em direção a seus estados na quinta. Maia prometeu descontar as ausências dos salários dos faltosos. Os deputados só precisam retornar a Brasília em 21 de novembro, uma terça-feira, quando está prevista a próxima sessão no plenário.

Vice-líder do DEM na Câmara, o deputado Pauderney Avelino (AM) ressaltou que os dias sem sessão não significam que os parlamentares não estarão trabalhando. Segundo ele, muitos estarão em Brasília ‘articulando’. “Segunda-feira estarei de volta aqui. Não tem sessão, mas tem articulação”, afirmou.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias