Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2018
Política
09/01/2018 17:17:00
Rodrigo Maia trabalha para minar candidatura de Meirelles
De olho na vaga de Temer, presidente da Câmara, antes alinhado com o ministro, agora busca ressaltar diferenças entre eles

Veja/PCS

Imprimir

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atua para minar a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), ao Palácio do Planalto. Aposta de seu partido para disputar a Presidência da República, o parlamentar fluminense, antes alinhado com o chefe da economia do governo Michel Temer, agora busca distinguir o seu perfil e o de Meirelles.

A movimentação ocorre em meio à crescente “agenda eleitoral” do titular da Fazenda – na sexta-feira, Meirelles participou de evento evangélico em Brasília, por exemplo. Aliados de Maia e integrantes do próprio governo passaram a intensificar ataques ao ministro. “Em vez de falar em eleições, ele deveria estar centrado na estratégia para aprovar a reforma da Previdência”, disse o deputado Pauderney Avelino (AM), secretário-geral do DEM.

O ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco, afirmou que Meirelles, para ser candidato ao Planalto, “tem de trabalhar” e disse que a porta está “aberta” para o PSDB.

Maia, Meirelles e o governador tucano Geraldo Alckmin tentam se apresentar como a candidatura de centro e sonham com o apoio dos partidos da base governista. Temer, para aglutinar essas forças em torno de um nome, tem exigido a defesa de seu legado econômico.

Apesar de Maia buscar a desestabilização da candidatura de Meirelles, seus aliados dizem que o presidente da Câmara vê hoje Alckmin como principal concorrente ao Planalto. A avaliação é de que o ministro da Fazenda não conseguirá concorrer, entre outros motivos porque não terá apoio nem mesmo de seu próprio partido.

Enquanto a decisão sobre a candidatura de Meirelles fica para abril, como o próprio ministro já afirmou, a estratégia dos aliados de Maia é desgastar o titular da Fazenda. Como ambos defendem a reforma da Previdência, o presidente da Câmara se colocará como “defensor radical” da agenda reformista. Ao mesmo tempo, deixará o “desgaste” com parlamentares para Meirelles.

Aliados de Maia são diretos nesse trabalho: “Meirelles tem de cumprir a tarefa dele no Ministério da Fazenda. Não pode confundir. Na hora que mistura política partidária e política econômica, uma delas sai prejudicada”, afirmou Danilo Forte (DEM-CE). “Como ele quer ter uma política fiscal eficiente e fazer parte do balcão de negócios da política? Em lugar nenhum do mundo isso combinou”, disse.

Um exemplo desses atritos lançados para Meirelles é o veto de Temer ao projeto que criou um programa de parcelamento de dívidas tributárias, conhecido como Refis, para micro e pequenas empresas. Maia fez questão de não emitir opinião sobre o assunto e deixou claro aos parlamentares que o presidente derrubou a medida por orientação da equipe econômica.

Na semana passada, Maia e Meirelles entraram em choque em meio à articulação para mudar a chamada “regra de ouro”, que impede a emissão de dívida para o pagamento de despesas correntes, como conta de luz e salário de servidores.

‘Juntos’

Meirelles minimizou as informações de que Maia tente inviabilizar sua potencial candidatura. “Ele foi muito importante para a aprovação da PEC do Teto de Gastos e da reforma trabalhista. Estamos trabalhando juntos no objetivo principal que é aprovar a reforma da Previdência e depois manter a agenda de reformas”, disse.

Notícias relacionadas

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias