Terça-Feira, 16 de Julho de 2024
Economia
22/04/2024 18:01:00
Pix corre risco com falta de investimentos no BC, diz Campos Neto

FP/LD

Imprimir

Em nova defesa da autonomia financeira do Banco Central, o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, se diz preocupado com a queda no orçamento da instituição e com seus possíveis efeitos práticos, como na operação do Pix.

"Neste ano, nosso orçamento de investimentos foi de R$ 15 milhões, isso é um quinto do que foi há cinco anos. Chegamos ao risco de alguma hora falar 'como é que a gente vai conseguir fazer rodar o Pix?'", disse Campos Neto durante evento em São Paulo nesta segunda-feira (22).

Segundo o presidente do BC, as paralisações dos funcionários do BC por ajustes salariais e mais contratações já atrasa a implementação da agenda digital da instituição, que inclui avanços no Pix e a criação do Drex, moeda digital ainda em fase de testes.

Outro argumento de Campos Neto em favor da PEC (proposta de emenda à Constituição) 65, seria a possibilidade de o BC, com uma empresa pública com autonomia fiscal e orçamentária, estabelecer contratos com empresas privadas de "gestão dividida".

"Por exemplo, no Drex eu tenho ajuda de várias empresas, da Microsoft, da Parfin, e, para fazer os contratos é muito difícil, porque a máquina pública não programou esse tipo de contrato que precisamos na gestão moderna", disse Campos Neto.

Questionado sobre se a PEC tem apoio do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Campos Neto disse que é necessário esclarecer alguns pontos.

"O ministro [Fernando Haddad] tem falado que não é conta, mas que precisa esclarecer alguns pontos. E no Legislativo, no Senado, eu tenho sentido uma boa vontade para aprovar", afirmou o economista.

Sobre a transição no comando do BC ao fim deste ano, Campos Neto voltou a dizer que será um processo "suave" e "construtivo", e que espera que a agenda de digitalização da autarquia continue sob seu sucessor.

"O Banco Central tem todos os ingredientes para ter uma continuidade nas políticas que a gente está fazendo. Os técnicos do BC são muito bons, e qualquer um que entra no BC rapidamente entende que grande parte do que a gente faz vem de uma trilha mais antiga e que tem aspectos técnicos que preponderam", afirmou.

Quando questionado sobre o seu começo no comando da autarquia, Campos Neto disse ter sentido receio de não estar apto para o cargo.

"Eu tinha um grande temor de não estar preparado para aquilo. Quando sentei na cadeira, a primeira coisa que pensei foi 'por que estou aqui?', 'será que tenho capacidade de estar aqui?' e aí com o tempo você vai aprendendo. Contei com muita gente boa no BC que me ajudou. Fizemos o Pix no meio da pandemia, com as pessoas trabalhando de madrugada, eu aprendi muito com eles."

RISCO FISCAL

Segundo o presidente do BC, o risco fiscal dos países estará cada vez mais sob o holofote de investidores, pois a realidade fiscal dos países estaria descolada da política monetária em todo o mundo.

"Principalmente nos Estados Unidos, Europa e Japão. Se somarmos [os três], isso mais ou menos dá dois terços da dívida soberana mundial. E se ela custava 1% para rolar, agora custa 3%. Além disso, essa dívida subiu 25% durante a pandemia. Em algum momento, a sustentabilidade da dívida vai virar um tema e o fiscal vai ficar mais no foco", disse Campos Neto.

Com relação ao Brasil, o economista avalia que o país está "um pouquinho pior que a média" em relação aos pares emergentes para investidores estrangeiros.

"Mas o Brasil teve suas peculiaridades. [O mercado brasileiro] tem bastante peso em empresas estatais, e teve um ruído do governo nelas. E os nossos juros são mais altos, então você tem uma taxa de desconto mais alta, a perspectiva de que o risco de prêmio que entra na Bolsa pela parte fiscal tem piorado um pouquinho também", disse o economista.

"No final das contas, se você olha que o Brasil tem um juro de longo prazo que paga acima de 6%, isso explica um pouco por que a Bolsa não sobe. Você tem aí uma âncora pesada para carregar. Isso não tem nada a ver com o Banco Central, isso é uma percepção de risco do Brasil", afirmou Campos Neto.

Atualmente, a Selic está a 10,75% ao ano, após uma série de cortes promovidos pelo Banco Central. A taxa básica de juros de dois dígitos tem sido alvo de críticas do governo Lula, que também criticou nominalmente Campos Neto pelos juros altos.

Nesta segunda, Campos Neto também voltou a dizer que o aumento no nível de incerteza, especialmente com relação à política monetária americana, leva a uma menor previsibilidade para os próximos cortes na Selic.

"Um cenário é essa incerteza diminuir, e a gente voltar para a nossa forma de atuação [ritmo de cortes na Selic] que a gente tinha começado. Um outro cenário é esse aumento de incerteza ficar mais tempo, e criar ruídos crescentes e aí a gente tem que trabalhar em como é que vai ser o ritmo, se a gente o diminui", disse.

Na última semana, os investidores passaram a precificar corte de apenas 0,25 ponto percentual na Selic em maio, não de 0,50.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias