Terça-Feira, 22 de Setembro de 2020
Brasil
11/12/2019 13:05:00
CPMI das fake news é o último ato de um ano vergonhoso
A turma da nova política que se elegeu às custas de Bolsonaro não pode dizer que dessa água não bebeu.

TIB/PCS

Imprimir
O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) durante seu depoimento na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News, em Brasília (DF). O deputado faz várias acusações sobre o funcionamento do que ele chama de milícias virtuais e mostrou tuítes e manifestações em redes sociais de expoentes da direita brasileira, parlamentares e pessoas ligadas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

Entre tantos absurdos ocorridos no primeiro ano de bolsonarismo no poder, a CPMI das Fake News talvez seja o acontecimento mais bizarro de todos. Os principais protagonistas, tanto acusados quanto acusadores, são políticos neófitos que só se elegeram por estarem associados a Bolsonaro.

Portanto, todo político bolsonarista foi favorecido, direta ou indiretamente, pela milionária fábrica de mentiras impulsionada pela campanha do PSL na internet. A turma da nova política que se elegeu às custas de Bolsonaro não pode dizer que dessa água não bebeu. Os conspiracionistas de sempre querem nos fazer acreditar que agora estão zelosos com a informação.

Essa CPMI é o puro suco da nova política. Os extremistas de direita se sentiram à vontade para usar o espaço para lavar roupa suja entre si. Virou uma sessão de terapia em grupo entre bolsonaristas arrependidos e bolsonaristas fiéis que em muitos momentos descambou para gritos e xingamentos do mais baixo nível.

A aberração maior, sem dúvida, é o fato de Joice Hasselmann (PSL) ser a grande protagonista da CMPI, apresentando as denúncias mais relevantes contra as milícias virtuais bolsonaristas. Logo ela, uma ex-jornalista que foi linha de frente dessas mesmas milícias e foi responsável por disseminar as maiores e mais fantásticas mentiras que ajudaram a eleger Bolsonaro. Segundo um relatório criado por pesquisadores de dados da Avaaz, a deputada foi uma das primeiras fontes do boato sobre fraude nas urnas.

No dia da eleição no primeiro turno, Hasselmann publicou um vídeo adulterado em que se comprovaria a fraude em favor da candidatura do PT. A deputada demorou dias para apagar o vídeo e não fez nenhuma correção. Mas essa foi uma mentira entre tantas. No segundo turno, Joice inventou histórias cabulosas como a de que o Irã, a Venezuela e o Hezbollah tramavam para impedir a eleição de Bolsonaro, cogitando até mesmo um atentado contra ele.

É importante lembrar que essas histórias foram criadas por uma ex-profissional do jornalismo que construiu uma carreira marcada por plágios. Joice roubou 65 textos de 23 colegas e publicou como se fossem de sua autoria. Vê-la sendo incensada como a grande denunciante de fake news do bolsonarismo é um retrato fiel do que virou a política brasileira em 2019. Foi como ver Suzane von Richthofen chorando no enterro dos pais.

Líder do governo até o mês passado, Joice criou grande expectativa sobre seu depoimento na CPMI nas semanas que o antecederam. Grandes revelações foram prometidas. A deputada começou a sessão com humor involuntário: “juro dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade”. Segundo ela, Eduardo e Carlos Bolsonaro são os comandantes de uma “organização criminosa”, criada para espalhar mentiras e difamar adversários. Eduardo comandava o “Gabinete do Ódio”, uma central que determina os alvos políticos a serem atacados nas redes sociais. Já Carlos pretendia criar uma “Abin paralela” para grampear e fabricar dossiês contra inimigos do bolsonarismo. São acusações verossímeis, que batem com tudo o que se sabe até aqui. Mas não foram apresentadas provas e, infelizmente, o que resta é a palavra de uma plagiadora em série acostumada a fabricar mentiras e que está ressentida com o bolsonarismo.

Hasselmann também acusou Carlos Bolsonaro de ser o Pavão Misterioso, um perfil fake criado em junho para disseminar mentiras sobre jornalistas do Intercept e descredibilizar as reportagens da Vaza Jato. Gente séria nunca teve dúvidas sobre a falsidade das informações propagadas pelo pavão, que, na época, foi impulsionado com ajuda da própria deputada.

Com mais ressentimento do que provas, Joice deu espaço para que os bolsonaristas mais capachos do presidente contestassem suas informações. E a contestação se deu através da arma retórica mais poderosa do bolsonarismo: a baixaria. Gritos, xingamentos, acusações sem provas, mentiras e insinuações de cunho sexual tomaram conta da sessão.

A ex-procuradora e deputada Bia Kicis (PSL), que é bastante próxima de Bolsonaro, confrontou duramente Hasselmann, acusando-a de espalhar fake news. Nem parecia uma contumaz detratora da democracia e disseminadora de… fake news. Além de ser atualmente uma das principais difamadoras do STF, Bia também sugeriu uma intervenção militar na corte logo após a eleição de Bolsonaro. Na época da tragédia da Boate Kiss, quando morreram 242 pessoas, o grupo Revoltados Online, liderado por Bia, chegou a publicar a informação de que Paulo Pimenta (PT) seria um dos donos do estabelecimento. A deputada também foi uma das políticas que mais repercutiram as mentiras do Pavão Misterioso. Lembrando de todos esses fatos, o embate Hasselman x Kicis numa CPMI que busca combater a desinformação mais parecia uma cena de filme surrealista.

Mas era só o começo. Outro embate duro foi o clássico Carla Zambelli (PSL) x Hasselmann. O troço descambou para as rusgas pessoais, sem nenhuma relação com o tema da CPMI, da maneira mais rasteira possível. Zambelli chorou ao dizer que foi acusada por Joice de ser “abortista”. Depois Joice disse que pagou a conta de restaurante de Zambelli e seu ex-namorado. O assunto pulou para o boato que rola internamente no bolsonarismo de que Zambelli trabalhou como prostituta no passado. Chamada de “burra”e “mentirosa” por Joice, Zambelli retrucou a chamando de “louca”. O barraco foi esquentando até que o Alexandre Frota (expulso do PSL e, desde agosto, no PSDB), outro protagonista da CPMI, gritou “continuem!”, arrancando gargalhadas do plenário. Foi uma zorra total.

O tucano, aliás, cumpriu o tempo todo o papel de animador de auditório. Além de levar um bolo para comemorar o aniversário do caso Queiroz, Frota usou seu tempo de líder do PSDB na CPMI para dizer que Carlos Jordy (PSL) afirmou que “sentou em seu colo”. “Eu fiquei impressionado. Eu não sabia que já tinha ido aí”, disse o tucano. Jordy respondeu que é mentira, já que Frota teria admitido em entrevista que implantou uma prótese peniana. O tucano respondeu que o “problema é que eles ficam excitados com essas coisas a meu respeito”. Incrível imaginar que toda essa baixaria foi protagonizada pela turma que se elegeu defendendo os valores cristãos e a moralidade da família brasileira. Registre-se também que Frota, que rompeu com o bolsonarismo após ser eleito por ele, se tornou hoje o principal nome do PSDB no Congresso. É um reflexo do novo jeito de fazer política implantado por Doria na sigla.

Marcio Labre (PSL), o deputado que quis proibir a venda de DIU e da pílula do dia seguinte sob a justificativa de serem “micro-abortivos”, também deu seu showzinho. Numa sessão da CPMI há duas semanas, o terraplanismo foi citado e Labre perguntou: “E qual é o problema se a Terra for plana? Se for plana ou redonda não muda nada para mim”. No depoimento de Hasselmann, Labre disse que não há provas de que robôs trabalham para o governo nas redes, mesmo sabendo que o caso já está fartamente comprovado. A verdade é a coisa que menos importa na CPMI das fake news.

Labre pediu a convocação dos jornalistas Mônica Bergamo, Miriam Leitão, Nassif, Kennedy Alencar e Franklin Martins para a CPMI, dizendo que eles propagaram notícias falsas. Claro que isso não é verdade. O deputado está apenas cumprindo uma promessa de janeiro, quando prometeu aterrorizar jornalistas durante o governo Bolsonaro.

Na época da disputa pela presidência do Senado, o extremista de direita também lançou mão de mentiras para influenciar no processo. Labre insinuou que os militares teriam pressionado Renan Calheiros a desistir da candidatura. Um bolsonarista de verdade nunca perde a oportunidade de enfiar a faca no pescoço da democracia.

Outro bolsonarista que se mostrou chateado com as mentiras do bolsonarismo é Nereu Crispim (PSL). O gaúcho lamentou ter se tornado uma vítima das milícias digitais denunciadas por Hasselmann e contou como ele e sua família estão sofrendo com falsas acusações. Realmente deve ser difícil beber do próprio veneno. Crispim não achou ruim quando se elegeu com a ajuda dessa mesma máquina de difamação. Ele não é um zé ninguém no partido. É o presidente do PSL-RS e foi colocado lá pelas mãos de Bibo Nunes (PSL), um apresentador de programa sensacionalista que ganhou fama enganando seus telespectadores.

O bolsonarista fiel Filipe Barros (PSL) negou todas as acusações de Hasselmann e a atacou vazando um áudio privado em que ela chama as tretas do PSL de “putaria” e diz estar de “saco cheio desse bando de filho da puta (do PSL)”. Barros também foi um dos que amplificou o perfil Pavão Misterioso.

O ambiente de desinformação instaurado na eleição da mamadeira de piroca ajudou a catapultar essas figuras para o Congresso. Boa parte dos acusadores e acusados dessa CPMI não estariam ali se não fossem a campanha ostensiva das milícias digitais em favor do bolsonarismo. Já a oposição, claramente despreparada para tratar do assunto, encolheu e virou coadjuvante na CPMI.

Enquanto o circo rolava na Câmara, o Senado garantia o privilégio dos militares na reforma da previdência. Eles terão aposentadoria integral, sem idade mínima e aumento das gratificações para a cúpula militar. É mais uma vitória do bolsonarismo.

Nenhuma investigação prosperará em um ambiente em que o que se busca é lacrar em cima do inimigo do momento a qualquer custo. O bolsonarismo transformou o Congresso em um puxadinho das baixarias das redes sociais e esse parece um caminho sem volta. A CPMI das fake news virou palco de disputa interna da extrema-direita e já está claro que nada de relevante para o país sairá dali. 2019 foi o ano mais vergonhoso da história da República e nada indica que 2020 será diferente. O bolsonarismo nasceu, cresceu e continuará se sustentando com base em mentiras.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias