Sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019
Mundo Pet
26/01/2017 17:42:00
Por que o luto por animais de estimação, apesar de doloroso, ainda não é reconhecido?
Especialistas explicam por que os sentimentos dos donos, apesar de genuínos, ainda podem não ser reconhecidos pela sociedade

ZH/PCS

Imprimir
Foto: PaelmerPhotoArts

Meu amigo Claudio foi uma das primeiras pessoas a saber da morte da minha cachorra. Ele dava aula naquela manhã de sexta-feira quando liguei. Conta que, antes de explicar ao seu aluno o motivo do telefonema urgente, perguntou:

— Você tem cachorro?

Esse detalhe da história me fez perceber o quão essencial era essa pergunta antes de contar a qualquer pessoa sobre a perda da Chloe, minha cadelinha de seis anos. Ela se foi de maneira súbita, após ficar apenas um dia internada no hospital veterinário. Meus amigos próximos compreenderam o momento, deram força, mas na verdade, nem eu conseguia dar sentido à intensidade daquela dor. Era difícil validar aquele sentimento, ficava insegura ao me expressar. Comecei a procurar mais sobre o assunto: afinal, por que essa perda é tão dolorida?

É uma sensação estranha. Beirava até a imoralidade, pensava eu, quando lembrava da nossa inconsistência humana de valorizar mais a vida de alguns seres vivos em detrimento a outros. Explico: em 2013, uma pesquisa nos Estados Unidos (EUA) mostrou que pessoas sentiam mais empatia e aflição quando liam notícias em que crianças eram vítimas de algum mal. Filhotes e cães adultos ficavam em segundo lugar. Por fim, vinham as pessoas adultas.

Foi conversando com a psicóloga Maria Helena Franco, coordenadora do laboratório de estudos e intervenções sobre o luto da PUCSP, que comecei a entender melhor a situação e aceitar a dor que sentia, sem precisar me preocupar com qualquer questão moral. Primeiro, que o luto após a perda de um animal de estimação é real, confirma ela. Não é frescura, como alguns podem pensar. A ligação e o significado que os animais passaram a ter durante o convívio com seus donos são intensos. A morte de um não pode ser comparada a de qualquer outro ser.

Para a especialista, todo luto é único. Cada pessoa tem tempos de recuperação e reações diferentes a uma perda. Algumas ficam com raiva ou até mesmo desenvolvem um sentimento de culpa por não ter levado o animalzinho antes no veterinário ou feito algo de diferente. A superação leva tempo e não deve-se ter medo de passar pela fase de luto. O sofrimento, segundo Maria Helena, faz parte dessa fase de aprendizado e é importante que seja respeitado e vivido.

Animais de estimação ganharam um novo significado na vida de seus donos ao longo dos anos. Antes vistos como apenas bichos que ficavam no pátio, hoje dividem conosco a rotina e a casa. De acordo com levantamento da Pesquisa Nacional de Saúde 2013, feito pelo IBGE, 44,3% dos lares brasileiros têm a presença de ao menos um cachorro. E pesquisas feitas principalmente nos EUA com donos de animais de estimação mostram que os bichos já são considerados membros da família.

— Um membro da família significa que ele está próximo de nós, do nosso cotidiano, que nós temos uma proximidade e uma ligação afetiva com aquele ser. E ele é incluído nas nossas atividades, no nosso conceito de família. Ele não vai sentar à mesa com você, mas faz parte da programação da vida — diz a psicóloga Maria Helena.

Saí da minha cidade natal, após a faculdade, para começar meu primeiro emprego. Decidi que ia ter um cachorro, então a levei ainda filhotinha para a minha primeira casa. Por um ano, ela era minha principal companhia, num lugar onde eu não tinha amigos, ninguém sequer para tomar um chimarrão no fim de tarde. Mas com a Chloe, as voltas no parque ganharam sentido, era um motivo a mais para sair de casa. Não é a toa que universidades americanas trazem cães para uma terapia de boas vindas para calouros, e algumas faculdades já começaram a aceitar os cãezinhos e gatos nos dormitórios.

A maioria dos adolescentes, vivendo longe de casa pela primeira vez, tem dificuldade em falar sobre a saudade de casa com os outros. O resultado desse estudo de terapia com o uso de animais com estudantes publicado em 2016 ano mostrou que esses estudantes lidavam melhor com a saudade de casa e sentiam-se mais conectados à nova vida universitária. Então, como não fazer uma ligação intensa com um ser que traz alento em momentos importantes da vida?

— O luto depende do significado do animal na vida da pessoa. Os idosos têm animais de companhia, então, essa perda pode ser muito importante. Para crianças, às vezes é a primeira perda. A única questão é que a sociedade ainda não aceita. É um luto não reconhecido. Se a expressão não é trabalhada e compreendida, ela poderá causar problemas físicos e psicológico — diz a psicóloga.

Na literatura científica sobre psicologia, o desmerecimento da dor pela perda de animais de estimação já é estudada: subestimar o luto dos donos causa implicações no bem-estar da pessoa que sofre. É o chamado ¿luto não reconhecido¿. Segundo Maria Helena, isso vem da falta de empatia com os que sofrem uma determinada perda. ¿Ah, é só um cachorro, não é uma pessoa¿, podem dizer. Mas, se você perdeu o seu bicho, seja de qual espécie for, não tenha vergonha de sentir-se triste e não tenha medo de pedir apoio. Seja para o veterinário, que já está preparado para um tratamento sensível com os donos, ou para os amigos.

A veterinária Juliana Milan diz que os profissionais da área de saúde animal já usam uma abordagem bastante sensível para comunicar a saúde ou o risco iminente de perda do animal. — Vemos que a dor da perda tem aumentado. E vemos que as crianças se culpam por ter ¿abandonado¿ o pet ou se perguntam por que o cachorrinho as abandonou — diz Juliana.

Em alguns casos, os donos passam a frequentar mais vezes a clínica quando o animal fica mais velho, para buscar uma forma de conforto com o profissional.— Não é nem para examinar o paciente, que continua igual. É para que o tutor seja escutado um pouco melhor, para ele falar sobre o que pode fazer depois dessa perda. As pessoas têm se precavido já para o pós-perda. E nós temos que ter sensibilidade para isso e se colocar a disposição — conclui a veterinária.

A dor por animais perdidos ou roubados

A aflição e o luto podem ser igualmente ou mais dolorosos para os donos que perdem ou tem seus bichinhos roubados. — O roubo dos animais parece que é pior para os tutores. Eles ficam em uma esperança, imaginando o quanto o bicho está sofrendo por não estar em casa e não ter o carinho. A morte é algo que é tratado com o tempo, vai acostumando com o tempo, mas o luto de animais vivos é bastante sofrido — diz a veterinária Juliana.

O luto

— Respeite o luto e a sua dor. Não a compare com a de outras pessoas. Cada um sabe do significado que o animal teve na sua vida.

— Não fique com vergonha de pedir ajuda para amigos e parentes próximos que oferecem acolhimento.

— Pense antes de adotar outro bichinho. Leve um novo para casa quando o luto estiver superado, pois um não substituiu o outro. Cada animal terá o seu comportamento e a sua história.

— Esclareça a situação para as crianças e permita que elas se expressem. Pode ser o primeiro luto verdadeiro. É recomendável ecplicar o que aconteceu e não mentir sobre a situação.

— Não tenha medo de pedir ajuda para o veterinário ou chamar o profissional para conversar durante os momentos mais difíceis.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias