Terça-Feira, 22 de Setembro de 2020
Polícia
11/02/2020 12:07:00
Com receio, Bolsonaro silencia sobre morte de miliciano
O silêncio também foi adotado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e pelos filhos do presidente

Folha/PCS

Imprimir
Foto: Reuters

O presidente Jair Bolsonaro evitou falar com a imprensa por duas vezes nesta segunda-feira (10), um dia após ação policial resultar na morte do ex-capitão Adriano da Nóbrega, acusado de comandar a mais antiga milícia do Rio de Janeiro e suspeito de integrar um grupo de assassinos profissionais no estado.

Foragido há mais de um ano, o ex-PM é citado na investigação que apura a prática de "rachadinha" no gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro quando o filho mais velho do presidente era deputado estadual no Rio de Janeiro.

O presidente também não comentou o tema em nenhuma de suas publicações em redes sociais feitas ao longo deste domingo (9) e segunda-feira. O comportamento destoa do habitualmente adotado por Bolsonaro: comemorar ações policiais em que os alvos são encontrados e até mortos.

Capitão reformado do Exército, ele foi eleito com forte apoio de militares e costuma defender publicamente as ações da categoria.

De acordo com assessores palacianos, o silêncio do presidente reflete sua preocupação com a situação de seu primogênito. A aliados, ele já deixou transparecer a inquietação que tem com a apuração de um esquema de "rachadinha" - que consiste em coagir servidores a devolver parte do salário para os parlamentares. O caso já levou a ações de busca e apreensão em endereços de Flávio.

Bolsonaro já confessou temer que as apurações possam resultar em algo mais grave. Publicamente, ele evita comentar o caso e já encerrou uma série de entrevistas quando foi questionado sobre o assunto. Na mais recente delas, em dezembro do ano passado, pediu que repórteres "ficassem quietos" e disse em tom ofensivo que um deles tinha "uma cara de homossexual terrível".

Na manhã desta segunda-feira, Bolsonaro não permitiu que a imprensa fizesse perguntas e dirigiu críticas aos jornalistas sem apontar motivo específico. "[Queria] compartilhar com vocês, mas tudo será deturpado. Então lamento, mas não vou conversar com vocês. O dia que vocês, com todo o respeito, transmitirem a verdade, será muito salutar conversar meia hora com vocês. [Falar de] problemas dos mais variados possíveis, dá para resolver, gostaria de compartilhá-los. Repito: não o faço porque, ao haver deturpação, a solução ficará mais difícil, talvez impossível", disse.

À noite, ao entrar no Palácio da Alvorada, cumprimentou apoiadores e evitou os jornalistas.

Bolsonaro foi aconselhado a evitar o tema e a desviar do assunto. Em situações como essa, ele costuma endurecer o discurso contra a imprensa.

O silêncio também foi adotado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e pelos filhos do presidente com mandato - além de Flávio, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

Ativo nas redes sociais, Eduardo não comentou a morte do ex-capitão do Bope. Desde que a notícia veio à tona, na manhã de domingo, Eduardo retuitou vídeo que mostra a participação do pai em um evento evangélico e fez postagens com críticas à oposição.

Também dedicou tempo para comemorar a derrota do documentário "Democracia em Vertigem" no Oscar e para alfinetar o governador paulista, João Doria (PSDB), pelos transtornos provocados pela forte chuva que atingiu São Paulo nas últimas 24 horas.

Assim como o presidente, Eduardo costuma usar as redes sociais para comemorar ações policiais. No último dia 7, por exemplo, parabenizou a Rota, tropa de elite da PM de São Paulo, por uma notícia que mostrava aumento de 98% das mortes cometidas pelos agentes da divisão.

"Parabéns, Policiais! O que mais causa a morte de policiais é o receio de apertar o gatilho por medo de ser condenado num tribunal do júri ou massacrado pela imprensa - e em ambos os casos ele não tem advogado de graça. Nesta fração de segundos o bandido não titubeia e o assassina", escreveu o deputado.Flávio passou o dia em Brasília, mas nem ele nem seu advogado quiseram se manifestar sobre a morte de Adriano.

De acordo com o Ministério Público, contas bancárias controladas pelo ex-policial foram usadas para abastecer Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio suspeito de operar o esquema no gabinete do então deputado estadual no Rio. Queiroz é amigo do presidente da República.

Adriano teve duas parentes nomeadas no antigo gabinete de Flávio. Mensagens interceptadas com autorização judicial mostram ele discutindo a exoneração da esposa, Danielle da Nóbrega, do cargo.

Ele também foi defendido por Jair Bolsonaro, então deputado federal, em discurso na Câmara em 2005, quando foi condenado por um homicídio. O ex-PM seria absolvido depois em novo julgamento.

Enquanto estava preso preventivamente pelo crime, foi condecorado por Flávio com a Medalha Tiradentes.

Parlamentares de diversos partidos consideraram a morte de Adriano um episódio grave, mas dizem acreditar que não haverá consequências no Congresso pois Flávio, que já assumiu o mandato como alvo das suspeitas, costuma ter atuação mais discreta no Senado.

COMENTÁRIO(S)
Últimas notícias